DVD Comunhão & Adoração 6

2 01 2008
cea6_post.jpg

A série Comunhão & Adoração, que surgiu em 1997 idealizada por Ricardo Carreras, diretor da Aliança Produções, vem se superando a cada edição.

Seu primeiro registro áudio visual foi realizado na versão quatro, com o ministro de louvor Paulo Rogério. Foi a partir deste lançamento que a APD (Aliança Produção e Distribuição) resolveu mudar o formato da série, com o intuito de dar mais dinâmica ao projeto. Sendo assim Comunhão e Adoração passou a ser gravado ao vivo, tendo um dirigente diferente a cada álbum e sendo lançado não só em cd, mas também em dvd.

Sua quinta edição foi lançada em parceria com a Integrity e veio recheada de versões da Vineyard e Hosanna Music. A escolhida para ministrar no quinto disco foi Dany Grace, discípula de Adhemar de Campos, que havia participado do cd anterior interpretando com Paulo a canção “Sonda-me”. Dany assumiu a responsabilidade e não decepcionou.

Comunhão & Adoração 6 celebra os 30 anos de ministério de um dos pastores-líderes-cantores-músicos-compositores mais bem sucedidos e mais referenciados da música cristã brasileira: Adhemar de Campos. Nenhum outro ministro de louvor teve mais músicas cantadas em Igrejas de norte a sul e permanece por tantos anos como ele.

O teatro escolhido, um dos mais antigos e suntuosos de São Paulo, o Theatro São Pedro, construído em estilo neoclássico no ano de 1917, foi mais um dos cuidadosos detalhes que emoldurou a beleza da noite.

Todas as músicas foram re-arranjadas para o acompanhamento da Orquestra Filarmônica de São Caetano do Sul, que junto com uma banda de primeira, somavam 60 músicos em palco.

Os backing vocals ficaram por conta de Paulo César Baruk, Rachel Novaes, Raquel Rodrigues e Marlon Saint, com arranjos do próprio Baruk e a escolha dos duetos levou em consideração o timbre e o estilo de cada participante convidado.

Com todo esse zelo na preparação do evento o resultado não poderia ter sido diferente do obtido, que foi um trabalho belíssimo, que pode ser encontrado em um dvd que traz captação de som e imagens impecáveis e, o mais importante, com a presença e unção do Senhor sendo sentida do começo ao fim.

Nos extras do dvd temos um capítulo intitulado “Comentários e depoimentos” onde Ademar de Campos, Ricardo Carreras, David Quinlan, Fernandinho, Nívea Soares, Davi Sacer, Luis Arcanjo, Nelson Bomilcar, Rachel Novaes, Massao Suguihara, Soraya Moraes, Pregador Luo, Daniel Souza, Ana Paula Valadão e sua família dissertam sobre uma série de curiosidades interessantes em formato de mini documentário. Vale a pena assistir.

Temos ainda uma galeria de fotos do evento e divulgação dos outros registros áudio visuais da série com a opção de poder assistir uma música de cada dvd, com Danny e com Paulo Rogério.

As legendas disponíveis são português, inglês e espanhol e o áudio DTS ou Dolby Digital 2.0 ou 5.1

“Ele É Exaltado” dá início ao culto de adoração. As frases de cordas que desfilam preenchendo os espaços do arranjo dão uma noção da qualidade sonora que teremos durante todo o repertório.

O Medley que une “Homem de Guerra” e “Nosso General” é festivo e empolgante. “Homem de Guerra” traz uma roupagem a lá “George Benson” e “Nosso General” vem com um refrão dance com as cordas executando frases de ataque. Muito bom! A segunda conta ainda com a participação de Fernandinho.

Nelson Bomilcar marca presença em “A Vitória” que vem com uma levada cheia de swing e uma orquestração cativante e envolvente.

Para fazer um dueto com Adhemar em “Grande É O Senhor”, a escolhida foi Nívea Soares e seu belíssimo timbre de voz. O arranjo é mais contemplativo em relação ao anterior, mas tão sublime quanto.

Em “Bem Supremo” ele é acompanhado pela esposa, pastora Aurora, suas duas filhas, sua nora e seu filho, Rodrigo Campos. No DVD podemos assistir o testemunho da pastora, falando sobre a filha que eles haviam perdido no início de seu ministério e a forma milagrosa como Deus agiu na vida deles.

Rachel Novaes, pastoreada por Adhemar na comunidade de Ubatuba, ministra a canção “Ele Vem Pra Te Salvar”, de autoria de Bob Fitts.

Em “Pela Fé”, temos a participação de Ronaldo Bezzerra. O hino vem em ritmo de balada e uma boa participação do violão na interpretação do arranjo.

O forte e inconfundível timbre de Soraya Moraes é o tempero de “O Nome de Jesus”.

Um hino que está tendo uma boa repercussão na mídia evangélica é “Amigo de Deus”, com a presença da carismática Ana Paula Valadão.

A seqüência a seguir considero como um dos mais belos medleys de louvor que eu já escutava na minha época de juniores na Igreja Batista em Bom Retiro. Tem início com “Louvemos ao Senhor”, ministrado por David Quinlan, segue por “Magnifiquemos”, “Hosana”, com Christie Tristão, do Asas da Adoração e fecha com Daniel Souza em “O Motivo do Louvor”.

Pra terminar, temos uma seqüência festiva e “balançante”. “Leão da Tribo de Judá” traz o amigo Massao Suguihara. “Nosso Comandante”, conta com os vocalistas do Ministério Trazendo a Arca, Luis Arcanjo e Davi Sacer.

Não podia ficar de fora o hino de sua autoria mais executado até hoje nas igrejas. “Tributo a Yehovah” é interpretado com o auxílio de todos o ministros juntos no palco. Também não poderiam faltar as rimas do Pregador Luo que ao lado do instrumental cheio de groove faz a galera presente no teatro “quebrar o protocolo”. Nota 10!

Glória a Deus pelo ministério do Pastor Adhemar, por esse projeto e pelas várias vidas que foram e serão alcançadas por ele. Realmente imperdível.

badge_roberto.png

 

Anúncios




João Alexandre – É Proibido Pensar

21 12 2007
jalex_proibidopensar.jpg

No final dos anos 60 teve início o grupo Vencedores por Cristo, sob a liderança do missionário Jaime Kemp. A iniciativa almejava ser mais do que apenas um grupo musical, mas também um celeiro para que universitários e pré-universitários pudessem usar a música como um instrumento para falar do amor de Deus.

Até os anos 80 mais de 450 pessoas haviam passado pelas equipes VPC. Neste período surgiu uma série de grupos com uma proposta sonora pioneira para a época. Entre eles, Milad, Logos, Rebanhão (com Janires, Carlinhos Félix, Zé Canuto e Pedro Braconot), Coral Renascer, Shirley Carvalhaes, Luiz de Carvalho, entre outros, que passaram a mudar o cenário musical evangélico.

Em 1986 o grupo Milad gravou seu primeiro álbum. Ainda se chamavam Água Viva e assim como seu contemporâneo, o grupo Logos, liderado pelo pastor Paulo César (ex grupo Ello) também realizavam apresentações evangelísticas. Entre os seus membros estava João Alexandre, que hoje é sinônimo de musica cristã com qualidade e comprometimento com os princípios bíblicos.

Ainda nos anos 80 João Alexandre descreveu o Brasil em verso e prosa. Naquela época, a canção “Pra cima Brasil” virou hit nas igrejas e até fora delas. Tinha uma letra bonita que versava sobre críticas sociais, que explicavam o repúdio de um cidadão inconformado e preocupado com o futuro da nação.

Em 2007, com quase 25 anos de carreira, ele está em fase de divulgação de seu décimo quarto trabalho, o polêmico “É proibido pensar”, desta vez não só indignado com a corrupção do país, mas também com a superficialidade nas atitudes e postura da Igreja que esta tendo reflexo nas letras da música gospel nacional.

O álbum foi gravado entre julho e setembro de 2007 e esta sendo distribuído pela VPC.

O repertório tem início com “Na Tua presença” que traz uma interpretação violão e voz de João. O hino é uma confissão comum a todos os cristãos do mundo que versa sobre o lugar de onde nunca deveríamos sair.

“Credo Apostólico” é uma adaptação de uma letra de Stênio Nogueira. A canção que exalta a Divina Trindade (Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo) vem com um belo arranjo de cordas.

Uma parceria entre João e Guilherme Keer gerou “Te Vejo Poeta”. O louvor é uma poesia belíssima. “Te vejo poeta, quando nasce o dia e no fim do dia, quando a noite vem. Te vejo poeta na flor escondida…Contudo um poema, Tua obra de arte, destacasse à parte, numa cruz vulgar”. Entenderam?

A VPC também está distribuindo o novo álbum de Guilherme que tem como título esta canção. O disco lançado em 2007 vem com play back incluso.

“Deus tem Seus colaboradores diretos quando se trata de Seus filhos!” “Anjos” é outro hino de Stênio Nogueira. Neste ele versa sobre casos relatados na Bíblia onde a participação dos anjos foi marcante na vida das pessoas.

Num álbum desses todas as músicas se destacam, mas “Feirante” é sensacional. Poesia linda com tema inusitado, além de ritmo brasileiro cativante e envolvente. De certa forma relembra um pouco a canção “Casa grande” do CD “Voz, Violão e Algo Mais”.

A música é uma homenagem aos feirantes, mas traz uma mensagem bíblica embutida nas entrelinhas de sua letra. Diz assim no encarte:

“Nesta canção, o compositor juntou todos os conselhos de sua avó feirante e decidiu, em forma de poesia, perpetuá-los numa melodia rica de harmonia simples! Quem sabe, a coroa da vida seja “um sonho de açúcar mascavo embrulhado num papel de seda azul” e o Céu seja a “Quitanda da esperança”, onde um dia nos encontraremos”.

“Paz e Comunhão” versa sobre hospitalidade e dos frutos provenientes de vivermos em harmonia com familiares, amigos e vizinhos. Como não podia deixar de ser, tudo de forma bem poética.

A faixa título é a quem tem gerado certa polêmica por causa da letra. Confesso que também fiquei surpreso ao ouvir a crítica do João. Mas creio que não se deve fazer tempestade em um copo de água, até porque a música não cita ninguém diretamente.

Se percebermos bem, a música foi feita não como uma crítica, mas como um alerta para a infertilidade do pensamento cristão que tem sido observado no excesso de repetições de temas na música gospel nacional. Trata também de forma bem sutil da comercialização do evangelho e o que isso causado no nosso meio. A questão levantada na letra são alguns erros doutrinários e não o fato dele gostar ou não de determinado ministério.

Polêmicas a parte, musicalmente falando “É Proibido Pensar” tem uma pegada contagiante. Excelente!

“Pai Nosso” é uma regravação que também esteve no repertório do disco “O melhor de João Alexandre”. O texto é baseado na oração ensinada por Jesus e registrada em Mateus 6 e Lucas 11.

A seguir temos o hino tradicional “Que Segurança” de autoria de Jane Fanny Crosby. Este hino foi composto por esta mulher que era cega e mesmo assim “enxergava” através da luz da esperança e encontrava sua segurança nos braços do Pai, onde sua alma podia cantar em louvor a Ele.

Num álbum deste naipe não podia faltar um sambinha. “Trabalho/Esperança” é outro fruto da parceria com Guilherme Keer. E que fruto! “A vida é muito curta para ser desperdiçada. Na batalha diária de todos nós, sem exceção, o melhor é correr atrás do que é eterno, já que do pó viemos e ao pó voltaremos”.

“Vou Pescar” confirma Stênio Nogueira como um dos maiores compositores evangélicos do Brasil. O hino, inspirado na passagem relatada em João 21, onde Jesus aparece a Pedro depois de ressuscitado, é uma composição muito bela. Os arranjos do naipe de cordas dão um toque a mais na canção.

O repertório termina com “O Que Bem Quiseres” que é uma oração de contrição e entrega a Deus de nosso coração, leia-se aqui, vontades e desejos.

Além deste novo trabalho a VPC também está distribuindo o livro “Músico – Profissão ou Ministério”, escrito em parceria com Luciano Garruti Filho.

Valeu galera!

badge_roberto.png




Soul Dreams: Ao Vivo

20 11 2007

souldreams_post.jpg

 

A banda gospel Soul Dreams está de volta, e traz em seu novo álbum Soul Dreams – Ao Vivo, canções em um estilo black repleto de novidades, sem esquecer é claro da qualidade musical e de toda a competência que já é de conhecimento do público.

O Soul Dreams surgiu em 2000, quando Rick (Ricardo Lira) chamou amigos de infância que tinham o mesmo gosto musical e um mesmo sonho de formar uma Banda Gospel de Black Music.

O som da banda tem nítidas influências de Fred Hammond e Yolanda Adams, entre outros, mescla o soul dos anos 70 com a modernidade do R&B atual. Entre suas influências nacionais temos Silvera, Marquinhos Gomes e João Alexandre.

Outro grande diferencial do grupo, está em sua qualidade vocal, com suas vocalizações elaboradas e em sua musicalidade, pois fazem uma fusão marcante, mostrando em suas apresentações o verdadeiro sentido da black music.

Após gravarem Soul of Jesus pela Abril Music foram contratados pela Gospel Records, que relançou o disco com o título Reality One.

Nesta mudança entraram algumas canções novas no repertório do disco, enquanto as outras, com exceção de Humanidade, continuaram com o arranjo anterior.

Atualmente sua formação conta com Rick, Aldo e Fabi. Em 2003 eles foram considerados a grande revelação da música gospel.

Ricardo Lira, tecladista, produtor musical e líder da banda e Aldo Gouveia, produtor vocal, são nomes bastante respeitados no meio musical, tanto no gospel, como no secular. Já gravaram com Travessos, Rhimena, Kátia Nascimento, The Family, Swing Original, Polegar, Dominó, Banana Split, Alexandre Pires, Dj Alpiste, Soraya Moraes, entre outros.

Em 2007, Rick produziu o novo disco de Maurílio Santos, chamado “O Princípio de Tudo” e também participou da produção do CD de MV Bill.

Aldo participou dos novos CDs de Daniel e da dupla Rick e Renner, além do novo álbum de Fábio Junior. Ao lado de Faby foram backing vocals oficiais do programas ídolos do SBT.

Faby é uma vocalista experiente no meio gospel, foi backing vocal da cantora Priscila Angel e participou dos CDs da Banda Reluz, Comunhão e Adoração e do cantor Alexandre Pires. Em 2007 Faby participou do novo CD do cantor Daniel.

Em Julho de 2005, ao lado de Dj Alpiste, Raiz Coral do Quarteto FLG gravaram o CD e DVD “O Melhor do Black Gospel”. As músicas escolhidas foram “A Casa Vai Cair” e “Vencedor”, ambas inéditas.

Neste novo trabalho a banda tem como objetivo mostrar a evolução da black music em relação a sonoridade nos últimos anos. Gravado no Copan, o disco conta com participações especiais que engrandeceram o trabalho: Coral Kadmiel de Campinas e do Rapper L. Dias.

A permanência no estilo R&B continua em uma das faixas do CD que foi gravada em estúdio, além de uma versão em espanhol da canção “Por Amor” visando o crescimento da música black no mercado latino.

A banda traz em seu histórico profissional grandes sucessos, shows de grande público, além de participações em grandes eventos gospel em todo o Brasil, tais como: Marcha pra Jesus em 2005 (considerada a maior marcha de todos os tempos), Gospel Mais Brasil (que teve sua estréia no parque temático Playcenter – São Paulo) e Impacto Gospel 2007.

O culto teve início com “A Casa Vai Cair que também fez parte do repertório do DVD “Melhor do Black Gospel” gravado em parceria com FLG, Alpiste e Raiz Coral. O hino, que tem uma pegada contagiante, versa sobre o fim dos tempos. “O arrebatamento está chegando. Como está? Quais são os seus planos? Posso adiantar que está na contra mão, o caminho das estrelas fica em outra direção”.

Posso Sentir e “Nasci pra Te Louvar mantêm a pegada black, mas o arranjo tem um formato mais congregacional. As duas trazem muito groove, pegada funkeada e vários efeitos de teclado. Aproveitando o ambiente ao vivo e a presença da galera Aldo e Fabi usam os o turn around finais das canções para interagir com a galera presente.

Sem Jesus”, de Silas Furtado do Kadoshi, é cativante e envolvente. Traz a participação do rapper L Dias. Destaque para as linhas de baixo e para a levada reagaetown no final.

A seguir temos “Hoje Eu Só Quero Louvar que traz uma levada R&B com pitadas de bossa nova. Muito boa, pena que é pequenininha.

Lágrimas leva o repertório para um momento mais contemplativo. As melodias, que até aqui já estavam muito boas, ganham mais destaque em virtude das linhas melódicas mais cadenciadas. Os contracantos também se sobressaem e são bem expressivos. Essa é uma das melhores. Lágrimas é também a música de trabalho deste excelente disco.

Um arranjo orquestrado dá o tom para “É Meu Prazer que mantém a pegada do hino anterior. Destaque para a participação do Coral Kadmiel, que dá um toque a mais neste ponto do culto até o seu final.

Daniel Quirino que participou do disco anterior com as canções “Santifica” e “Sacrifício de Amor” marca presença na letra de “Por Amor. O louvor versa sobre o sacrifício de Jesus na cruz de forma criativa e poética. “Mas Ele me amou sim, de tal maneira que cuidou de mim. Ele me amou sim, de tal maneira seu eu merecer, ele me amou sim, amou a mim, sem nada em troca receber, foi capaz de me entender”. Destaque para o tempero “flamenco” do arranjo e para a interpretação de Aldo.

Rei da Glória volta a colocar a galera pra dançar. Literalmente. O coral então é um caso a parte. Nota 10!

O show termina com “Vencedor que também fez parte do repertório do CD/DVD Melhor do Black Gospel. Essa dispensa comentários.

Pra terminar temos duas faixas bônus gravadas em estúdio. A primeira, visando o crescimento da música black no mercado latino, repete a competente interpretação de Aldo na canção “Por Amor, numa versão em espanhol.

Fechando o repertório temos uma belíssima interpretação de Fabi em “Posso Confiar”. O arranjo traz os interessantes efeitos de teclado do Rick ao lado de frases jazzísticas na guitarra.

As canções do novo álbum trazem nas letras passagens vividas pelos próprios componentes, após o intervalo entre o último CD e este. Além de muito amadurecimento pessoal e de experiências intensas com Deus.

Para este CD foi criado um projeto de divulgação em Igrejas que serão realizados através de pocket shows, já que este CD está mais voltado para a área congregacional.

O lançamento será inovador, pois no mesmo dia ocorrerá a gravação do tão esperado DVD, marcado para o dia 18 de Janeiro de 2008, no Copan.

Maiores informações podem ser encontradas em www.souldreams.com.br.

badge_roberto.png





Análise: Daniel Ribeiro ‘Panthro’ ~ Meu Sonho

26 10 2007

panthro_meusonho.png

O paulista Daniel Ribeiro, ou Panthro como é conhecido por alguns, é membro da IASD de Jardim das Palmas em Campo Limpo – SP. Criado em um lar cristão, desde pequeno freqüentava a igreja e assistia apresentações de diversos cantores. Porém, não tinha nenhuma ligação ou interesse pela música.

Mas em 2001, a convite de uma amiga foi ver o grupo Raiz Coral em uma das suas apresentações e se apaixonou. Dali começou a acompanhá-los frequentemente, até quem um dia Sérgio Saas o convidou para participar do coral e ali começou seu ministério.

Daniel, que era apenas um simples admirador da música, começou a se destacar pela sua peculiaridade musical. Passou então a compor a lista dos solistas do coral. Como uma boa e singular performance vocal, Saas o convidou para fazer parte de um quarteto nascido do próprio coral, o Lynk4, onde gravou um cd com destaque em vários solos.

Daniel não parou por aí, passou a ser convidado para participar de outros trabalhos, tais como: PG, Voz da Verdade, Ministério Apascentar de Nova Iguaçu (Toque no Altar), entre outros no meio gospel.

Apesar do pouco tempo de carreira, ele já dividiu o palco com grandes nomes do gospel nacional e internacional, como: Álvaro Tito, Fat Family, Priscila Angel, Marquinhos Gomes, Robson Nascimento, David Fantazinni, Kirk Franklin, Take 6, entre outros.

Em 2006, atendendo o chamado de Deus para o ministério solo, lançou o seu primeiro cd, intitulado “Meu Sonho”. O álbum traz participações especiais de Junior e Jezrell, Ton e Karina Carfi, do rapper Lito Atalaia, além de toda trupe do Raiz Coral fazendo alguns back vocals. Com 7 composições de sua autoria, o álbum traz ainda 2 regravações e uma versão do Ministério Hillsong.

A faixa título é uma balada que demonstra toda a versatilidade do crooner tanto como compositor, tanto intérprete. “Meu Sonho” versa de forma poética e melódica sobre a nossa morada celestial relatada pelo profeta Isaias e por João em seu livro onde narra o Apocalipse.

“A Cura” é uma versão para “The Healing” do Hillsong. Traz como um “toque a mais” a maravilhosa interpretação de Carina Carfi que em breve estará lançando seu primeiro cd solo.

“Tudo Por Mim”, que foi a última composição a ser composta para o cd, vem com a pegada black característica de Panthro desde a época de Raiz Coral e Link 4. A canção que exalta a obra e o amor de nosso Senhor Jesus Cristo, tem uma das letras mais belas do disco.

“Pelo Nome De Jesus” é uma vinheta com interpretação a capela tão boa que deixa um gostinho de que poderia ter sido melhor aproveitada.

Pra quem curte Raiz Coral, “O Chamado De Deus” vai estar entre as favoritas do álbum. Traz vocais “gringos” idealizados por Saas e arranjos de base criados por Jessé (que tem um cd lançado pela Saas Music chamado “Simples Natural”). Excelente!

Pra quem curte Link 4, “Não Há Quem Possa” vai estar entre as melhores do álbum. Traz a participação de Junior e Jezrrel, que há muito tempo já deixaram de ser uma “promessa” do programa do Raul Gil e tem sido uma realidade no cenário black gospel nacional. Somzeira!

Se as duas canções anteriores já valeram a aquisição deste lançamento, “Eu Sei” complementa esta ótima seqüência de black music. Com participação do rapper Lito Atalaia temos mais uma bela canção com letra de louvor e adoração ao nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo sem aquele monte de clichês que tem invadido e trazido mediocridade a música evangélica. Parabéns aos compositores.

“Além Do Rio” e “Não Me Esqueci De Ti” são duas regravações de Jader D. Santos. A primeira traz a participação de Ton Carfi, ex-companheiro de Link 4, que também lançou seu primeiro álbum solo em 2006. Ambas possuem uma pegada mais congregacional, mas são belíssimas. A segunda então é um clássico da música evangélica nacional.

Daniel é um barítono nato e interpreta canções com tonalidades médias. Em “De Volta Ao Lar” ele arrisca notas mais altas, características das canções interpretadas por Ton Carfi e Leonardo Gonçalves. Destaque para o arranjo da canção que traz um piano e voz acompanhados por belas frases de sax.

Fechando este ótimo lançamento “Teu Nome É Santo” é um hino prato-cheio-pro-ministro-de-louvor-interagir-com-a-igreja. Canção de entrega e contrição que envolve e contagia.

“Meu Sonho” são supre as expectativas de quem esperava um cd de black music, mas com certeza deve ser incluído na relação de melhores do ano de 2006.

O estilo e a voz inconfundível de Daniel Ribeiro inspira a cada vez quem o ouve. Que venham outros com a mesma qualidade musical, lírica e instrumental.

badge_roberto.png





Análise: Templo Soul ~ O Que Há De Melhor Em Mim

19 10 2007

ts_coletanea.png

Com um repertório que possui letras criativas que tratam não só de assuntos relacionados ao cristianismo, mas também de situações que vivemos em nosso dia-a-dia, a banda Templo Soul já soma em sua carreira três discos de louvor e adoração com versos que vão além dos clichês e chavões evangélicos.

Pioneiros na black music, fazendo um soul de primeira qualidade, tiveram seu primeiro álbum lançado no final da década de 90, intitulado apenas Templo Soul, onde a música “Caixa d’água” se tornou uma das mais pedidas nas programações das rádios evangélicas de todo o País.

Nestes 10 anos de ministério receberam vários prêmios, entre eles, o B-Unit de melhor show em 2004 e o Troféu Talento de melhor cd de Black Music em 2005.

Em abril de 2006, gravaram um cd em parceria com grupo APC 16 (somando então quatro álbuns ao total), onde conseguiram mostrar toda sua versatilidade nessa junção de estilos.

“O Que Há De Melhor Em Mim” é uma coletânea que trás um repertório com 14 canções, sendo uma inédita ao lado de 13 hinos produzidos por Rogério Sarralheiro e encontrados em disco do TS ou em participações da banda com amigos e irmãos.

O encarte traz um visual gráfico bacana, mas é bem simples. E, infelizmente, não traz a letra das canções que não são encontradas nos demais álbuns da banda.

“Sou, Dou, Vou (Pelo Meu Poder)” dá início a viagem musical. Cantado em primeira pessoa (como se fosse Jesus falando), o hino versa sobre Cristo de uma forma criativa e inteligente. Realmente é muito interessante. Só mesmo ouvindo pra conferir.

O hino conta com a participação do Art-E (Arte do Evangelismo). Este grupo de rap, que lançou no início de 2007 o excelente disco “Haja”, é o primeiro produzido por Rogério a ser lançado pelo selo Caixa d’água. O louvor não faz parte deste cd, mas sim do seu álbum solo que será lançado em 2008.

“Pista Do Céu” é um soul dançante com pitadas jazzísticas. Fez parte do repertório do segundo disco da banda “Não desista”.

“Alvo + Que A Neve” conta com a participação de Luo e também irá para o álbum solo de Sarralheiro.

Além das rimas e dos versos envolventes, o louvor traz ainda o refrão do hino “Alvo Mais Que A Neve” executado em um sample de um vinil antigo com pitch da voz alterado, dando aquela pitada divertida e irreverente na música usada também nas canções “Firme” e “Oh Vem” do TS & APC.

“Caixa D’Água” é um hino evangelístico com uma letra ousada. Foi através dessa canção que o Templo Soul alcançou notoriedade nacional. “Se você precisa de um bagulho pra ficar doidão, eu tenho a coisa certa, não é igual a nada que você já viu ou experimentou em sua vida, não é erva, não é pó e nem bebida”. Destaque para o naipe de metais com ataques precisos. Soul de primeira qualidade.

“Tua Presença” é um hino dançante muito bacana encontrado no álbum “Minha vida não para” de Francisco JC. O disco deste representante carioca da black music nacional foi produzido por Rogério, Silvera e Nehemiahs Avlis e traz, entre outras, uma excelente releitura de “Advogado” da banda “O Semeador”.

A única música inédita do TS é um soul de raiz. “Só A Graça” traz aquela pegada de guitarra característica desse estilo. Destaque para a metaleira que marca presença quebrando tudo e justificando o fato de serem chamados de “metais em brasa do Templo Soul”.

O hino escolhido para dar nome à coletânea é encontrado no terceiro disco da banda. “O Que Há De Melhor Em Mim” traz interpretações cativantes de Rogério, Ale, Silas e participação especial de Kelly Lopes (Graça Music). Ainda conta com a participação do Coral Degraus Music. O louvor explora o estilo muito usado por dirigentes como Kirk Franklin e Fred Hamond. Excelente!

“Não Pare” também encontrada no volume III. É uma das melhores. Mostra a força do soul desde a introdução. Se já não dá pra ficar parado com o swing do teclado de Waxendo, quando entra o sopro então…a casa cai (no bom sentido). “Desencosta, sai da toca, faça alguma coisa pra mudar. Parado não dá pra continuar, assim você vai congelar. Chega mais irmão, vamos adorar e Jesus Cristo vai te aquecer”. Somzeira!

“Tô Legal” é encontrado no disco “Haja” do Art-E. O hip hop é interpretado sobre a base de “Let’s Groove” do Earth, Wind & Fire. Os versos e rimas dos rappers estão muito bem feitos e encaixam-se muito bem sobre a dançante levada de baixo da música do EWF.

“Entra No Clima” foi uma das faixas mais dançantes do álbum Templo Soul & Apocalipse 16. Tem a pegada de “Não Pare”, ou seja, é uma canção TS típica. Mais uma vez os metais são um caso a parte.

“Telefone” é encontrada no segundo disco da banda e traz a participação mais que especial de Dj Alpiste. O hino versa sobre oração de uma forma que só TS e Alpiste poderiam fazer”.

“Procuram A Paz” possui uma sonoridade soul bem moderna. A letra versa sobre a suficiência de Cristo para dar sentido a nossa vida. O hino é de autoria do cantor e compositor Helmar Santana e faz parte do repertório do seu disco “Explode de alegria” produzido por Rogério.

“Mil, Dez Mil” fez parte do primeiro disco do TS. Nasceu de uma experiência que incluiu um livramento sofrido por Rogerinho um pouco antes de ser ministrado pelo baixista Abraham Laboriel e o baterista Chester Thompsom em um evento realizado na Igreja Bíblica da Paz, onde congregam os membros do grupo.

Traz mais uma vez o clima dançante do hip hop. De forma poética e dançante entoamos e tomamos posse das palavras do salmista. Destaque também para o Gui, uma criança que canta o refrão e que hoje em dia já é um pré-adolescente engrossando a voz.

“Tô Na Benção” fecha o cd com chave de ouro. Traz uma série de crianças interagindo com a galera e versando sobre adoração a qualquer hora e em qualquer lugar. A música faz parte do disco do Ministério Infantil da Igreja Bíblica da Paz. “To na bencão” também é o nome do ministério e do cd que possui composições e produção de Sarralheiro.

Em setembro de 2007 a banda abraçou um novo desafio: a gravação do seu primeiro DVD ao vivo na Igreja Bíblica da Paz – SP.

Com uma grande festa no estilo anos 70 (época que influenciou a sonoridade da banda) visam levar vidas a Jesus através do seu estilo musical, com muita adoração, evangelismo e música de qualidade.

O DVD foi produzido pelo líder da banda, Rogério Sarralheiro. O compositor e arranjador foi responsável pela direção musical do dvd do “Apocalipse 16 – 10 anos ao vivo” e também estará responsável pela produção musical e artística deste registro áudio visual.

Participações confirmadas de Luo, Ao Cubo, FLG, Art-E, Coral Degraus, dançarinos e muitas outras surpresas, bem ao estilo inusitado e dinâmico da banda.

Só nos resta aguardar…

badge_roberto.png